in

Covid-19 e as crianças: estudo aponta diabetes tipo 1 como nova possível complicação da doença

O estudo ainda é preliminar, porém aponta um risco em potencial sobre mais essa complicação.

Noticiasaominuto

Uma nova pesquisa sobre a Covid-19 em crianças sugere algo que pode ser bem preocupante. Isso porque o novo estudo aponta uma possível ligação entre o novo coronavírus e o desenvolvimento do diabetes tipo 1 nos pequenos. A publicação da descoberta foi publicada no Reino Unido.

Publicidade

Segundo informações de um artigo do ICL – Imperial College London, que foi divulgado nesta última quarta-feira, 19 de agosto, a pesquisa que foi liderada por cientistas do ICL NHS Trust e estudiosos da universidade, revelou que 30 crianças que estiveram nos hospitais de Londres tiveram diabetes tipo 1 durante o pico da pandemia do novo coronavírus.

Este número representa dobro de casos que geralmente apareceram no mesmo período em anos anteriores. Os especialistas acreditam que a proteína spike do coronavírus consegue atacar e promover a destruição das células produtoras de insulina no pâncreas. Ao que tudo indica, os pequenos têm menor propensão a apresentar casos graves da Covid-19. Contudo, é preciso considerar as possíveis complicações de saúde nas crianças, ressaltou uma das pesquisadoras, a Doutora Karen Logan.

Publicidade

A análise realizada pelos cientistas mostram que durante o pico da pandemia do novo coronavírus, os casos de diabetes tipo 1 em crianças foi muito mais alto em dois hospitais que ficam localizados na região noroeste de Londres, se comparados aos anos anteriores. Após investigação, alguns dos pacientes tiveram contato com a Covid ou já haviam sido expostas ao vírus.

Publicidade

Os especialistas acreditam que a pesquisa seja a primeira a apontar uma ligação entre o coronavírus e o desenvolvimento de diabetes tipo 1 em alguns pequenos. Contudo, vale ressaltar que o estudo foi realizado em uma região limitada do Reino Unido. Serão necessárias mais pesquisas para poder estabelecer de forma definitiva a ligação entre os dois. Porém, é extremamente importante que os médicos estejam atentos a mais esse risco em potencial.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade