in

Covid-19: volta às aulas é descartada após estudo apontar alta taxa de crianças assintomáticas

A prefeitura de São Paulo adiou o retorno das atividades presenciais após estudo.

R7

A volta as aulas presenciais é uma preocupação constante dos governantes estaduais. Os pais, professores e alunos se perguntam quando as aulas vão poder retornar normalmente. No entanto, esse questionamento ainda não tem uma resposta, já que um estudo realizado recentemente pela prefeitura de São Paulo trouxe um dado alarmante.

Publicidade

Mais de 64% das crianças que contraíram o coronavírus em São Paulo são assintomáticas, e 16% já tiveram contato com o vírus, revelou o mapeamento realizado pela prefeitura paulista. Esse dado contou com a participação de seis mil crianças e adolescentes com idades entre 4 e 14 anos.

“64,4% das crianças que testaram positivo foram completamente assintomáticas e 35,6% foram sintomáticas. Quase que praticamente duas vezes mais o número de crianças que testaram positivo e não apresentaram sintomas”, explicou Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde.

Publicidade

Os dados fazem parte o inquérito sorológico que foi feito pela gestão do município entre os dias 6 e 10 de agosto. A informação foi apresentada no começo da tarde desta terça-feira, 18 de agosto, pelo prefeito e o seu secretário, durante a realização de uma coletiva de imprensa virtual.

Publicidade

Conforme a informação da prefeitura, participaram da testagem seis mil estudantes divididos em três fases: 2 mil alunos do Ensino Infantil (idades entre 4 e 6 anos), 2 mil estudantes do Ensino Fundamental I (idades entre 6 a 10 anos, 1º ao 5º ano) e 2 mil do Ensino Fundamental II ( idades entre 11 a 14 anos, 6º ao 9º ano).

Publicidade

O estudo tem como objetivo avaliar através de amostragem quantas pessoas já contraíram a Covid-19 no município. O exame sorológico faz a avaliação de anticorpos específicos e por isso é capaz de identificar se a pessoa já teve contato com a doença.

Conforme a pesquisa, a gestão municipal afirmou que os números mostram que existe um alto risco de contaminação com o retorno das atividades presenciais.

Publicidade
Publicidade