in

Auxílio Emergencial: prorrogação do benefício é prioridade do governo federal; colunista cita novos valores

Caixa inicia o pagamento da última parcela do Auxílio Emergencial a partir desta terça-feira (18).

Reprodução: Facebook Jair Bolsonaro / Caixa

Nesta terça-feira (18), a Caixa Econômica Federal (CEF) dá início ao pagamento da quinta parcela do Auxílio Emergencial ao brasileiros inscritos no programa Bolsa Família. À medida que o cronograma de pagamentos previsto vai se aproximando do fim, a incógnita de uma nova prorrogação do benefício aumenta. 

Publicidade

Nos bastidores, o governo federal já estuda e discute planos de estender o benefício outra vez, mas está ciente que dependerá da aprovação do Congresso Nacional. De acordo com o colunista Valdo Cruz, do G1, a cúpula do governo Bolsonaro não tem como prioridade neste segundo semestre as reformas tributária e nem administrativa, e sim buscar a aprovação da prorrogação do Auxílio Emergencial, bem como efetivar a criação do programa Renda Brasil. 

Segundo o colunista, o interesse direto por essa postura deve-se ao aumento da aprovação de Bolsonaro principalmente na região Nordeste, localidade onde ele perdeu a eleição presidencial em 2018. Diante disso, uma nova extensão do benefício que tem sido um alento para os brasileiros em tempo de pandemia e o desenho de um novo programa para substituir o Bolsa Família, marca registrada do PT, são estratégias do presidente visando uma reeleição. 

Publicidade

Aliança

Valdo Cruz afirma que, segundo auxiliares de Bolsonaro, o governo federal buscará formular uma estratégia com aliados no Congresso Nacional para atingir os objetivos. Contudo, o novo valor do benefício e a fonte de financiamento para tal fim ainda preocupa.

Publicidade

Valores

Manter o Auxílio Emergencial com valores fixados em R$ 600 mensais está fora da realidade financeira do Brasil. Nesta configuração, os cofres públicos sofrem um déficit de R$ 50 bilhões por parcela.

Publicidade

De acordo com o colunista, a equipe econômica do governo federal trabalha com a possibilidade de baixar o benefício para um valor entre R$ 250 e R$ 300, estendo o mesmo até o final do ano.

Publicidade
Publicidade
Publicidade