in

Material que causou explosão no Líbano era mantido em depósito de maneira irregular há pelo menos 6 anos

Jornais locais afirmam que o governo do país tinha ciência do nitrato de amônio mantido depositado no porto de Beirute.

Foto: Ibrahim Amro/AFP

O Líbano ainda contabiliza os estragos provocados pela forte explosão que atingiu a zona portuária de Beirute, capital do país, na tarde desta terça-feira (4), resultando em mais de 100 mortos até o momento. Simultaneamente, os trabalhos investigativos seguem para tentar encontrar as causas da tragédia.

Publicidade

A emissora de TV Al Jazeera revelou que as autoridades do Líbano tinham ciência do material mantido em armazenamento na região portuária de Beirute. O assunto estaria sendo ignorado há pelo menos seis anos, até que culminou com a ocorrência da explosão. A mesma fonte alega ter acesso a cartas que demonstrariam tal conhecimento oficial.

Os documentos oficiais do governo apontam que o nitrato de amônio é resultado do descarregamento de um navio russo com a bandeira de Moldova. A embarcação, nomeada de Rhosus, ia da Geórgia para Moçambique, quando precisou estacionar em Beirute por problemas técnicos.

Publicidade

Informações apuradas pelo site Fleemont apontam que as autoridades do Líbano não permitiram que a embarcação seguisse viagem. Com isso, a tripulação optou por descarregar a carga, que desde então vinha sendo mantida em armazenamento em um dos hangares da zona portuária de Beirute.

Publicidade

Ainda no ano de 2014, o responsável pela administração do hangar enviou uma carta ao governo questionando uma solução para o problema. Ao menos cinco correspondências foram trocadas entre os anos de 2014 e 2017. Em resposta, as autoridades teriam declarado que incumbiria ao proprietário da carga a exportação do nitrato de amônio, a doação ao Exército ou a venda para alguma fabricante de explosivos.

Publicidade

“Tendo em vista o sério perigo de deixar este material em um hangar, em condições climáticas inadequadas, nós pedimos mais uma vez para que a marinha reexporte estes materiais imediatamente, para preservar a segurança do porto e dos que por lá trabalham, ou que vejam como vendê-lo”, diz uma das cartas.

Em 2017, Badri Daher, que ocupava o cargo de diretor da administração alfandegária, relatou a um juiz o “perigo de manter esse material onde está, e aos que trabalham por lá”, tendo em vista o risco de um acidente de grandes proporções.

O governo do Líbano avalia a explosão desta terça-feira (4) como uma tragédia nacional, e promete investigar a ocorrência até que os culpados sejam responsabilizados e punidos com severas medidas.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Henrique Furtado

Henrique Furtado é um redator com vasta experiência no jornalismo online. Solidificou sua carreira com coberturas marcantes sobre os principais acontecimentos no Brasil e no mundo ao longo da última década. Suas especialidades englobam desde os bastidores da política, versando por esportes, atualidades e, claro, tudo o que acontece no mundo dos famosos. Está sempre ligado para entregar, em primeira mão, as últimas novidades para os seus leitores, 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano.

Contato: henriquefurtado.jornalista@gmail.com