in

Homem morre de infarto após perder esposa e filho para Covid-19: ‘Chorava todas as noites’

Silvio Dias Novaes estava em depressão após perder familiares e tinha sofrido um AVC recentemente.

Divulgação - G1

A família Novaes foi totalmente devastada por conta da Covid-19. Após perder a esposa e o filho para o coronavírus, o despachante municipal Silvio Dias Novaes, de 60 anos, teve um infarto e acabou morrendo precocemente na última sexta-feira (17). A informação foi confirmada pela filha de Silvio, Maria Carolina da Silva Novaes ao G1.

Publicidade

A técnica de enfermagem de 39 anos, a exemplo da mãe, Alzira da Silva Novaes, e o irmão, Luiz Fagner Dias Novaes, contraíram o coronavírus após um revezamento para acompanhar Silvio em um hospital de Cubatão (SP) depois dele ter tido um AVC.

O primeiro óbito na família foi Luiz Fagner, cerca de 15 dias depois Alzira também não resistiu à luta contra a Covid-19. De acordo com Maria Carolina, a vida ‘virou de ponta cabeça’, e Silvio que já havia ficado abatido pela perda dos movimentos por conta do AVC, sentiu o baque ainda mais após o falecimento da esposa e do filho. Em estado de depressão, ele começou a tomar remédios.

Publicidade

“Por fora ele parecia estar bem, mas chorava todas as noites pela situação e pela ausência da minha mãe e irmão. Nesta sexta, por volta de 11h05, ele mandou para todos um vídeo da minha mãe cantando na igreja, e uns 15 minutos depois passou mal e morreu. Estamos arrasadas. Não sei como a vida pode ter sido tão injusta com a gente”, desabafou Maria Carolina.

Publicidade

Campanha

Um dia antes da morte do pai, a filha do despachante divulgou uma campanha virtual para levantar dinheiro para ajudar no tratamento do pai. Ela conta que chegou a colocar o seu carro à venda, e ainda contou com a ajuda da chefe que a promoveu no trabalho, mas não deu tempo de evitar o pior.

Publicidade

O velório e sepultamento de Silvio ocorrerá neste sábado, e por conta da pandemia será limitado para evitar aglomerações.

A pandemia do coronavírus segue registrando números alarmantes no Brasil, que já ultrapassou a casa dos 2 milhões de infectados, e se aproxima dos 80 mil óbitos. Na última semana, mais de 1 mil óbitos estão sendo computados diariamente.

Publicidade
Publicidade