in

Vacina testada no Brasil já tem uma previsão de ser registrada e liberada para população

Mais de 160 modelos de vacinas estão em estudo; fórmula testada no Brasil é a mais avançada, segundo OMS.

G1

Enquanto a pandemia segue assolando a população mundial, registrando novos casos de infectados e óbitos diariamente, os cientistas estão em uma corrida para o desenvolvimento eficaz de uma vacina contra a Covid-19. Criada pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, uma vacina tem sido testada, e já tem uma data possível para ser registrada.

Publicidade

Em entrevista à GloboNews, a reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Soraia Smaili, indicou que a vacina britânica poderá ter o seu registro liberado em junho de 2021.

No momento, cerca de 50 mil pessoas em todo o mundo estão sendo testadas. Deste quantitativo, 10% são brasileiros, com 2 mil em São Paulo, 2 mil na Bahia e 1 mil no Rio de Janeiro. A aplicação das vacinas em voluntários no principal estado do país tem sido comandado pelo Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Unifesp.

Publicidade

“Com a quantidade de pessoas que estão recebendo a vacina no mundo, é possível que tenhamos resultados promissores no início do ano que vem e o registro em junho”, disse Soraia Smaili, reitora da universidade.

Publicidade

Em evolução

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina de Oxford é a mais adiantada no mundo, e mais avançada no quesito de desenvolvimento. Responsável pelo Instituto Butantan, a brasileira Daniela Ferreira, é uma das cientistas que comandam o processo.

Publicidade

A todo vapor em seu desenvolvimento, a universidade conseguiu reduzir de 18 para 12 meses o período de testagem da etapa 3, a última para a realização de estudos.

Números

A pandemia do coronavírus segue computando índices expressivos diariamente em solo nacional. Segundo país mais afetado pela pandemia, o Brasil acumula mais de 1,9 milhão de infectados – destes, mais de 1 milhão já se recuperaram – e pouco mais de 74 mil óbitos. Os estados de São Paulo, Ceará e Rio de Janeiro aparecem entre os mais impactados.

Publicidade
Publicidade