in

Covid-19: ausência de pré-natal e vacinas pode matar milhares de mães e crianças, alerta estudo

Pandemia já matou mais de 570 mil pessoas pelo mundo e segue em ritmo acelerado.

BBC Brasil

A pandemia do coronavírus segue assolando a população mundial em larga escala, e ainda pode deixar grandes sequelas e consequências para um futuro próximo. De acordo com um relatório publicado nesta segunda-feira (13) pelo painel independente das Nações Unidas, mulheres, mães e crianças poderão ser impactadas.

Publicidade

O relatório calcula que a pandemia do coronavírus pode tirar a vida de mais de 400 mil crianças por conta de interrupções e problemas nos serviços de saúde. Em 2018, cerca de 5,3 milhões de crianças abaixo dos cinco anos morreram em escala global.

O texto aponta ainda, que em relação à mortalidade materna, cerca de 24,4 mil mulheres poderão morrer por causas ligadas à gravidez, com hemorragia e sepse sendo as principais causas.

Publicidade
  • 13,5 milhões de crianças deixaram de ser vacinadas contra doenças que podem ser fatais;
  • Mais de 20 países já relataram escassez de vacinas causada pela pandemia;
  • Há interrupção no fornecimento de contraceptivos, podendo levar a 15 milhões de gestações indesejadas em países de baixa e média renda;
  • De 42 a 66 milhões de crianças correm o risco de cair na pobreza extrema;
  • Cerca de 370 milhões de crianças estão deixando de receber refeições na escola;
  • Mulheres têm particularidades que as colocam vulneráveis à depressão e ansiedade;

O relatório ainda enfatiza que campanhas de vacinas estão sendo interrompidas, e profissionais da área de maternidade estão sendo deslocados para atuar na linha de frente contra a Covid-19.

Publicidade

No surto do Ebola, entre os anos de 2014 e 2016, a mortalidade feminina cresceu 75% durante o surto da epidemia, e o número de mulheres dando à luz em hospitais caiu cerca de 30%.

Publicidade

O documento ainda aponta que desde 2000, o cenário de mortalidade materna estava sendo reduzido até mesmo em países mais pobres. No entanto, diante da pandemia do coronavírus, tudo pode mudar drasticamente, afetando assim o cumprimento de metas estabelecidas pelas Nações Unidas.

Pandemia pelo mundo

Seguindo em ritmo acelerado de contaminação, a pandemia do coronavírus já se aproxima de 13 milhões de infectados em escala global – destes, mais de 7 milhões se recuperaram da doença. O número de óbitos, no entanto, é alarmante: já são mais de 570 mil vítimas pelo mundo.

Até o momento, Estados Unidos, Brasil e Índia aparecem entre as nações mais afetadas pela Covid-19, em número de infectados. 

No país sul-americano, o número de casos já ultrapassou a barreira de 1,8 milhão de infectados e mais de 72 mil óbitos registrados. São Paulo aparece como o principal epicentro da nação, com mais de 370 mil infectados e mais de 17 mil mortes.

Publicidade
Publicidade