in

Médicos surpreendem em projeção de quando será seguro ir ao salão de beleza e bares

Estados de São Paulo, Ceará e Rio de Janeiro são os mais afetados pela pandemia até o momento.

AFP - Isto É

O cenário de pandemia ainda segue assolando o Brasil em larga escala, com situações distintas em cada região. No país, muitos estados já iniciaram o processo de reabertura do comércio considerado não essencial. Respeitando protocolos rígidos das autoridades sanitárias, bares, restaurantes, cinemas e academias já estão voltando às atividades.

Publicidade

Com este tipo de postura, muitos brasileiros se questionam se de fato é seguro sair de sua residência para ir ao salão, comer fora ou até mesmo dar a tradicional saída no fim de semana para beber. Para ajudar as pessoas que estão em dúvida neste sentido, o UOL fez uma matéria ouvindo especialistas da área.

Ao todo, foram oito pessoas entrevistadas, onde a maioria acredita que nem todas essas atividades que estão retomando o seu curso normal deveriam voltar agora. Na visão de alguns, o cenário mais seguro para voltar a frequentar estes lugares seria no fim de ano, enquanto outros ainda não deveriam ter nem uma previsão concreta de regresso.

Publicidade

Dos entrevistados ouvidos, três deles apenas classificam seguro retornar com o atendimento de salões de beleza. Já para compras em lojas de produtos não essenciais, só dois acham correto a autorização. Vale destacar que a opinião não reflete para todo os estados do país, uma vez que ainda há regiões onde o número de casos estão crescendo exponencialmente nas últimas semanas.

Publicidade

Na visão de Estevão Urbano, infectologista e membro do comitê de luta contra a Covid-19 em Belo Horizonte, este não é o momento para reabertura de bares.

Publicidade

“É uma ilusão. É uma forma de nós todos justificarmos determinados movimentos. Você se justifica falando ‘vai ser tudo regrado, controlado, com distância, higiene’. Só que isso é teoria: a teoria serve para justificar uma prática que não vai acontecer, mas pelo menos você justificou, fez uma lei bonitinha, com parâmetros”, disse Estevão em entrevista ao UOL.

O infectologista é um dos especialistas que classifica que grande parte do comércio e serviços não essenciais só deveriam reabrir no fim do ano. 

Números

De acordo com o boletim mais atualizado, o Brasil já havia ultrapassado a barreira de 1,8 milhão de casos de infectados da Covid-19 e mais de 72 mil óbitos em decorrência da doença.

Publicidade
Publicidade
Publicidade