in

“Cidadão não”: a vida foi dura com a mulher que humilhou fiscal sanitário

“Querem que a gente morra”, disse a mulher em entrevista concedida a Globo; ela e o marido perderam o emprego.

Rede Globo

No domingo retrasado, o Fantástico exibiu uma matéria gravada no bairro Leblon, no Rio de Janeiro, onde a fiscalização sanitária removia da rua pessoas que se encontravam nas aglomerações naquela região.

Publicidade

Porém, uma das pessoas no local acabou chamando atenção de todo país. Após abordagem do fiscal e a solicitação de que se retirassem do local, um casal acabou confrontando agente público.

Embora já tenham passados quase 10 dias em que a reportagem foi ao ar, a cena do embate ainda é muito lembrada, principalmente nas redes sociais.

Publicidade

Isso porque, de forma afrontosa, após ser chamada de “cidadão”, a mulher interrompeu o fiscal e pronunciou as seguintes palavras: “cidadão não, engenheiro civil. Formado, melhor do que você“.

Publicidade

Já na segunda-feira seguinte, após a exibição da matéria, a empresa que empregava a engenheira anunciou a sua demissão. Ontem, em entrevista a um site, ela mencionou que está sendo vítima de diversos tipos de ameaça.

Publicidade

A engenheira disse que pessoas estão entrando em contato por celular e ameaçando a integridade física dela e de seu marido, ainda na mesma matéria ela menciona que ambos perderam os empregos. “As pessoas querem que gente morra”, chegou a dizer em dado momento.

O agente público que aparece sendo hostilizado chegou a mencionar que a vigilância sanitária não precisa de vingança e que o melhor a fazer é esquecer o episódio e que as pessoas sigam com a suas vidas.

Fato é que poucos dias foram necessários para que tudo virasse pelo avesso na vida do casal. Segundo a mulher, seu arrependimento foi de ter saído de casa naquele dia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Evandro

O mundo do entretenimento é a minha vida.