in

Bolsonaro recebe muitas críticas, após tomar hidroxicloroquina e passar por eletrocardiogramas

Informação foi divulgada pelo jornal O Globo e não foi comentada pelo Palácio do Planalto.

Marcos Corrêa PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está com Covid-19. O chefe do Executivo anunciou resultado positivo do teste para a doença, causada pelo novo coronavírus, na terça-feira (7). Se antes de estar doente, Bolsonaro já era um defensor da hidroxicloroquina, agora que contraiu a Covid-19, tornou-se ainda mais. O presidente postou vídeo em redes sociais tomando o medicamento.

Publicidade

Não há comprovação científica de que a hidroxicloroquina cure a Covid-19. Pelo contrário, há recomendação de que o remédio seja evitado, porque pode causar problemas cardíacos. Paralelo à guerra do uso ou não da hidroxicloroquina, Bolsonaro estaria passando por exames cardiológicos frequentes.

De acordo com informação divulgada pelo jornal O Globo, o presidente estaria fazendo duas baterias de eletrocardiograma por dia para monitorar o coração. O Palácio do Planalto não comentou os supostos exames a que Bolsonaro tem sido submetido.

Publicidade

Publicidade

Eletrocardiograma é recomendado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) recomenda aos pacientes diagnosticados com a Covid-19, que tomam a hidroxicloroquina, que realizem o eletrocardiograma para identificar anomalias no coração. A recomendação, porém, é que os testes sejam feitos no primeiro, terceiro e quinto dias após o paciente ter ingerido a primeira dose da substância.

Bolsonaro é criticado nas redes sociais

Publicidade

Na quarta, o presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para dizer que estava se sentindo melhor. “Aos que torcem contra a hidroxicloroquina, mas não apresentam alternativas, lamento informar que estou muito bem com seu uso e, com a graça de Deus, viverei ainda por muito tempo”, disse o presidente.

Muitos internautas estão criticando o presidente, após o seu suposto segredo ter sido revelado. Como o presidente tem um acompanhamento privilegiado, em relação à maior parte da população, o incentivo ao medicamento não aprovado pela OMS tem chamado a atenção do público.

Muitos estão indignados, porque parte da população não tem o mesmo tipo de atendimento cardiológico que Bolsonaro. O assunto está em alta em redes sociais, como o Twitter.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!