in

Coronavírus: cientistas fazem afirmação preocupante sobre transmissão e alertam OMS

Organização Mundial de Saúde afirmou que analisará dados pesquisados para constatar se o modo de transmissão procede.

Montagem - I7 Network

A pandemia do coronavírus segue assolando a população com o registro exponencial de novos casos de infectados diariamente. Além da produção da vacina para tentar reduzir drasticamente a disseminação da Covid-19, os cientistas seguem mergulhados em estudos para conhecer o vírus, e sua capacidade de transmissão.

Publicidade

De acordo com jornal New York Times, centenas de cientistas afirmar que há indícios de que partículas menores do novo coronavírus circulam no ar e podem infectar pessoas. O grupo está pedindo para que a Organização Mundial da Saúde (OMS) revise suas recomendações.

A OMS defende a tese que de a Covid-19 é transmitida principalmente de pessoa a pessoa por gotículas pequenas do nariz e da boca que são expelidas quando uma pessoa contaminada tosse, espirra ou fala.

Publicidade

Os pesquisadores enviaram uma carta aberta para a agência, e planejam publicar em um jornal científico todos os argumentos que corroboram para a tese identificada. Cerca de 239 cientistas de 32 países diferentes chegaram a este consenso. 

Publicidade

“Estamos cientes do artigo e estamos analisando seus conteúdos com nossos especialistas técnicos”, disse o Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS.

Publicidade

Para os cientistas, o coronavírus pode percorrer o ar seja por gotículas grandes que percorrem o ar após um espirro ou tosse, ou até mesmo por gotículas minúsculas expelidas, tendo a capacidade de infectar novas pessoas.

Números da Covid-19

Ainda em ritmo crescente em alguns países, a pandemia do coronavírus já infectou quase 11,5 milhões em todo o mundo, vitimando de forma fatal mais de 533 mil pessoas.

O Brasil aparece em segundo no ranking de infectados e número de mortos na escala global. Segundo o último balanço divulgado, o país acumulava mais de 1,6 milhão de infectados – 906.286 recuperados – e 64.867 mortos em decorrência da doença.

Publicidade