in

Caso Miguel: jurista comenta detalhes até então desconhecidos e novidade devastadora vem à tona

A professora Liane Cirne, da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), falou sobre caso.

Instagram Sarí Côrte Real / G1

A professora Liane Cirne, da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, comentou detalhes jurídicos até então desconhecidos do Caso Miguel. Os comentários aparecem após a conclusão do relatório da polícia civil pernambucana. Esse relatório analisa a morte do menino, que caiu de uma altura de mais de trinta metros, após entrar em um elevador de um prédio de luxo. 

Publicidade

Sari Corte Real, então patroa da mãe do garoto, Mirtes, é quem olhava a criança no momento do acidente. A polícia trabalha com a possibilidade de omissão da ex-patroa de Mirtes. O relatório mostra que o menino, em quatro minutos, entrou cinco vezes dentro do elevador. 

Sari tenta convencer algumas vezes o menino a voltar para dentro do apartamento. Ele dá a língua para a empregadora de sua mãe, que irritada diz algo com o dedo em riste. Liane diz que o relatório da polícia é positivo, mas que tem uma tese diferente da que ela é a favor.

Publicidade

No relatório, a polícia não considera que o fato de Sari ter apertado o botão do elevador seja o que levou à morte da criança, mas sim sua omissão com a criança.

Publicidade

“Sarí nem sequer acompanhou o itinerário de Miguel no elevador. Deu as costas assim que as portas do elevador se fecharam. Sarí confessou que as portas do elevador só se fecham quando acionado o equipamento. Logo, ela sabia que o elevador tinha sido acionado”, lembra a jurista, expressando o que pode complicar a vida de Sari, que está sendo indiciada por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.