in

Custo do Auxílio Emergencial chega a valores impressionantes após anúncio de extensão

Milhares de pessoas foram identificadas recebendo o benefício do governo de forma indevida.

Globo

O Auxílio Emergencial tem sido um “respiro” para milhares de brasileiros diante da crise causa em função da pandemia do novo coronavírus. Apesar de ter o objetivo de ajudar os mais necessitados e garantir uma circulação da economia do país, o benefício está representando um rombo expressivo no caixa do país.

Publicidade

Na última terça-feira (30), em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) oficializou a extensão do benefício para dois meses, pagando assim mais R$ 1,2 mil para milhares de brasileiros contemplados no programa.

Diante da ampliação do Auxílio, o governo liberou mais de R$ 101,6 bilhões para o Ministério da Cidadania. Somando os valores das três parcelas iniciais, o montante chega ao total de R$ 254,2 bilhões.

Publicidade

Em um primeiro instante, o governo federal liberou R$ 98 bilhões. No entanto, devido a uma grande demanda, o programa recebeu mais R$ 25 bilhões em 24 de abril e outros R$ 28,7 bilhões em 25 de maio.

Publicidade

As cifras gastas com o Auxílio Emergencial já simboliza mais do que o dobro do déficit primário registrado pelo governo de Jair Bolsonaro no ano passado, quando computou R$ 95 bilhões.

Publicidade

Pode continuar

Às vésperas de oficializar a extensão do benefício, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou durante uma comissão no Congresso que dependendo do cenário, o programa poderá sofrer uma nova ampliação. Tudo dependerá do cenário de luta contra a Covid-19.

Se não descer (o ritmo de contágio nos próximos três meses), lá vamos nós pensar de novo em quanto tempo mais teremos que segurar o fôlego“, afirmou Guedes.

Pagamentos indevidos

Em um levantamento feito pelo Tribunal de Conta da União (TCU), cerca de 17 mil mortos aparecem entre os beneficiários contemplados pelo Auxílio Emergencial. Estima-se que, no geral, ao menos 620 mil pessoas receberam o pagamento indevidamente, sem cumprirem os pré-requisitos estabelecidos. O montante de gastos com mortos representam 11 milhões.

Publicidade
Publicidade
Publicidade